COMO LIDAR COM OS BEBÊS QUE BRIGAM COM O PEITO

Sabe quando o bebê começa brigar com os seios, você oferece e ele recusa, se você tira ele pede, ele puxa, morde, ele quer e não quer… Existem vários motivos disso está acontecendo.

A maioria dos bebês quando estão em fase de crescimentos acabam ficando mais agitados e acabam brigando com o peito. Uns dos motivos dessa agitação são as cólicas, dentes nascendo e para aliviar essas dores muitas mães colocam o bebê para mamar. Porém, além desses motivos existem outros que muitas mães não percebem e acabam cometendo um grande erro na hora da amamentação.

Alguns motivos que fazem o bebê brigar com o peito

  • Redução dos fluxos: Quando o bebê sente que o fluxo está forte ele mama com tranquilidade, porém pode acontecer desse fluxo diminuir assim deixando o bebê bastante irritado. Nessa hora é indicado trocar o lado e amamentar com o outro peito.
  •  Excesso de fluxo: Muitos bebês estão mamando e acabam recebendo um grande fluxo de leite, que causa o engasgamento, nessa hora ele se irrita e não quer voltar para peito.
  • Sono: Muita das vezes o bebê está apenas com sono com a necessidade de descansar ou de dormir. Porém, pode acontecer da mãe achar que é fome e colocar no peito, deixando a criança mais cansada e estressada por não conseguir dormir.
  • Sem fome: Muita das vezes as crianças choram e a mãe da o peito achando que é fome. Por não ser fome o bebê acaba ficando estressado e briga com peito.
  • Confusão de bicos: Quando o bebê utiliza chupeta, mamadeira e peito, ele estranha as texturas. A maioria das vezes a criança utiliza muito a chupeta, então quando vai mamar sente a diferença do bico. Se esse for o motivo principal é aconselhado abandonar a chupeta e a mamadeira

Sendo assim, é muito importante conhecer, entender e saber as necessidades do seu filho.

Gostaram das dicas? Espero que tenha ajudado vocês!

Fonte: https://www.macetesdemae.com/6-motivos-pelos-quais-o-bebe-briga-com-o-peito-na-hora-de-mamar/

CUIDADOS COM OS BEBÊS RECÉM- NASCIDOS

Durante a gravidez surgem dúvidas e curiosidades sobre como cuidar de um bebê, essas dúvidas vem principalmente das mamães de primeira viagem.
Assim que o bebê chega ao mundo, temos os primeiros cuidados, com a quantidade de banhos que podemos da no dia, com o umbigo, qual a melhor posição para colocar o bebê, cuidados com a assadura, de quanto em quanto tempo deve- se trocar a fraldas, entre outras dúvidas que surgem durante o tempo.
Por ser bebê recém nascido, é delicado, sensível e muito molinho, então trouxemos algumas dicas de como lidar com tudo isso.


Umbigo do bebê
Sempre ao trocar a fralda, preste muita atenção na área do umbigo. Limpe com delicadeza e com cuidado na hora de remover os resíduos acumulados.
Deixe o coto do cordão cair sozinho. Pesquisas sugerem que a secagem natural permite que o cordão caia sozinho.
Podem ficar calmas porque o umbigo é uma pele morta e por esse motivo não dói como imaginamos, então nunca deixe de fazer as higienes necessárias e o mais importante com muito cuidado e carinho.


Hora do banho
Recém nascidos não precisam de mais de um banho por dia. Banhos frequentes podem ressecar a pele. Exceto quando houver necessidades, porém os pais devem sempre ficar atentos, e qualquer dúvida procurar um pediatra.
São poucos os que nascem com muito cabelo na cabeça, mas se o seu bebê tem, lave com shampoo para bebês e sempre massagear suavemente. Necessário lavar o cabelo por último para evitar espuma na banheira.
Antes de colocar o bebê na banheira teste a temperatura da água, como já dito, a pele do bebê é sensível, então a água deve estar morna e não quente. Se o bebê chorar não se assuste, isso pode acontecer e é normal nos primeiros banhos.


Mamadas no dia a dia
O indicado é que o intervalo das mamadas não passe de 3 horas.


Cuidados com a pele
Por terem a pele delicada precisam ser cuidadas e protegidas. Mais da metade dos bebês sofrem de assaduras, mas não se preocupe, é comum e casos leves são curados entre 3 a 4 dias.


Além desses cuidados não podemos deixar de citar os:
Cuidados com Moleira;
Com o corte das unhas;
Como lidar com as Cólicas;
Cuidados com os ouvidos;


Esses foram apenas alguns dos cuidados que toda mãe deve ter com o bebê. Mas e você? Gostou das dicas?


Fonte: https://lavembebe.com.br/blog/primeiros-cuidados-com-o-bebe-recem-nascido/

DE VOLTA AO TRABALHO E AGORA?

Para muitas mamães voltar ao trabalho e deixar o seu bebê em casa é uma situação muito difícil. Nessas horas surgem várias duvidas em relação à amamentação.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno até os seis meses de vida do bebê, sendo que a maior parte das empresas brasileiras, a licença- maternidades duram apenas quatro meses.

Segundo a Consolidação das Leis do Trabalho, a lactante tem direito a dois intervalos de meia hora cada para amamentar, até que o bebê complete seis meses, ou se preferir sair uma hora mais cedo para amamentar.

Além do medo, da preocupação com a amamentação, existe o medo em relação à produção de leite, não conseguir tirar o leite necessário para alimentar o bebê no período de trabalho.

Segue abaixo algumas dicas que podem te ajudar nessa transição:

Antes de voltar a trabalhar é necessário:
Manter o aleitamento exclusivo;
Praticar a retirada do leite e congelar para usar no futuro.
Iniciar o estoque quinze dias antes de retornar ao trabalho para garantir uma quantidade ideal;
Usar blusas e sutiã de amamentação com abertura, para facilitar na retirada;

Na volta do trabalho é necessário:
Quando estiver em casa, amamentar com frequência.
Evitar o máximo o uso das mamadeiras, para não levar ao desmame precoce;
Para usar o leite congelado é importante descongelar de forma natural.
Beba muito liquido 3 a 4 litros por dia e coma alimentos saudáveis e ricos em energia para garantir a produção de leite.

É comum que o bebê perto da mãe recuse a mamadeira, porém quando ele não sentir a presença da mãe tudo se tornará mais fácil.
Gostou das dicas?

Fonte: https://pediatriadescomplicada.com.br/2019/11/14/amamentacao-x-volta-ao-trabalho-o-que-fazer/

Vantagens da Poltrona de Amamentação

A amamentação pode durar até 50 minutos, por esse motivo, investir na Poltrona de Amamentação é muito importante para mãe e o bebê durante a gestação.
No começo o bebê depende exclusivamente do leite da mãe, por mais que o pai, avó, tia ou até mesmo a babá possam cuidar, é somente a mãe que pode fornecer tudo que ele precisa.
O recém- nascido mama em média de 8 a 12 vezes ao dia e quando atinge dois meses, ele mama menos, porém de 7 a 9 vezes ao dia. Mama muito né?
Nessa fase é difícil estabelecer horários para a alimentação. Isto é, ter paciência e tempo é essencial nessas horas. Agora imagina só, como é cansativo segurar o bebê durante tanto tempo em uma só posição.
É por isso que existe a poltrona para amamentação, além do conforto traz segurança para o bebê.

Existem vários modelos de poltrona com varias características diferentes e essenciais. Veja algumas:

• Poltrona de amamentação com balanço: Além de ser confortável tem como vantagem o balanço, ideal para proporcionar um momento de comodidade para a mãe e para o bebê;
• Poltrona de amamentação de Suede: Uma opção aconchegante e delicada.
• Poltrona de amamentação de couro sintético: Versão moderna e confortável.
• Poltrona de amamentação em cores neutras: Feitas para as mamães que desejam ter mais filhos ou que não quer errar nas cores da decoração.

Por que comprar uma poltrona de amamentação?

• Evita dores nas costas;
• Torna a amamentação mais confortável e relaxante;
• Oferece suporte para a região lombar da Mãe;
• Pode ser usado como local de descanso;
• Os apoios de braço nas laterais ajudam na amamentação

Mamães ou futuras mamães estão esperando o que para adquirir a sua Poltrona de amamentação?

E ai, gostou da dica?

Fonte: https://www.ideiasdecor.com/poltrona-de-amamentacao/
https://blog.casatema.com.br/poltrona-para-amamentacao-vantagens-inspiracoes/

BENEFÍCIOS DA ALMOFADA DE AMAMENTAÇÃO

Para a maioria das mamães a amamentação é um momento importante e único entre mãe e bebê. Amamentar traz vários benefícios para a saúde do bebê, mas se não amamentar de forma correta, pode trazer vário problemas de saúde para as mamães.

Muitas mães ao amamentar sentem um desconforto, dores e até pensam em desistir de amamentação. Um dos métodos de tornar o processo mais confortável é aderir á almofada de amamentação. Para muitos não tem importância, mas vou te mostrar alguns benefícios.

Por que usar a almofada de amamentação?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda a amamentação materna até os seis meses de idade e devem continuar a ser amamentadas, pelo menos, até completarem 2 anos.
A almofada também serve paras as mamães grávidas. Alivia dores e desconfortos da gestação. Uma ótima opção é a de colocar atrás das costas para que se consiga ficar deitada de lado á noite. Usar a almofada de amamentação para dormir pode ajudar muito na gestação!

Benefícios da almofada de amamentação

Ajuda em uma postura corporal correta (a coluna ereta, evita o cansaço e as dores nas costas e na lombar);
Reduz a tensão muscular (não deixa o braço da mãe adormecer e evita dores nos ombros e pescoço);
Serve de apoio á cabeça e costas da mãe que amamenta deitada;
Serve para o descanso para o bebê depois da mamada;
Mantém a cabeça do bebê um pouco elevada, evitando refluxo;
Serve para o bebê ficar mais tempo de bruços, fortalecendo os músculos do pescoço e costas;
A partir dos nove meses, a almofada pode servir de apoio para bebê que está aprendendo a sentar.

Comprar a almofada durante a gestação ajuda a ter noites tranquilas sem dores e desconforto. Use e abuse! Além de trazer todos esses benefícios as almofadas são confortáveis, macias e delicadas!

Gostou das dicas?

Fonte: https://blog.lilibee.com.br/%EF%BB%BFalmofada-de-amamentacao-motivos-para-voce-nao-dispensar-uma/

Saída de Maternidade. Qual cor devo usar no meu bebê?

A saída de maternidade nada mais é que a combinação de um macacão e uma manta quente. É possível também fazer outras combinações com um body de gola detalhada, calça com pezinho e casaquinho moderno, com uma manta.

Quando o assunto é saída de maternidade, vem a dúvida de qual cor usar no bebê. Por esse motivo, as mamães se preocupam em escolher a cor certa já que tem um grande significado.


No Brasil existe uma forte tradição para as mães supersticiosas de que o bebê deve usar roupa amarela no dia do nascimento e vermelha na saída da maternidade. Cada cor tem o seu significado e é interessante pesquisar e se informar com antecedência.


Separamos para você algumas cores de saída de maternidade mais utilizadas atualmente:


– Amarelo traz sorte e prosperidade ao recém-nascido. Representa vida, riqueza e prosperidade.
– O vermelho é bastante usado para a saída da maternidade, pois simboliza proteção e boas energias.
– O branco sugere pureza, leveza e paz e, por ser uma cor leve e neutra, não podem faltar na mala de maternidade.
– Azul é associado à paz e tranquilidade e é mais usado para as saídas dos meninos.
– Rosa representa amor e felicidade e transmite feminilidade e doçura. É a cor mais usada para as saídas das meninas.
– Verde representa serenidade, boa para o segundo dia de vida do bebê.
– Cinza simboliza equilíbrio e flexibilidade, a cor que está entre o branco e o preto.
– Lilás é a cor do símbolo da feminilidade, tom da espiritualidade e purificação.


Agora que você já sabe os significados das cores, ficou fácil escolher a cor certa para o seu bebê! Se a dúvida permanecer, procura nossa loja que vamos te atender da melhor forma.

Fonte: https://www.alobebe.com.br/blog/descubra-toda-a-historia-por-tras-da-famosa-roupinha-de-saida-de-maternidade.html,1136

COMO AJUDAR SEU FILHO NA ESCOLA

Os dias estão cada vez mais diferentes, as aulas com os professores e os amiguinhos agora estão tudo online, nós vemos os nossos pequenos a cada dia com mais desanimo e sem vontade para fazer as atividades e assistir as aulas.


Sabemos que as aulas online pesam bastante, pois não existe aquela dinâmica de estar pessoalmente em uma sala de aula, e a falta de interação com outras crianças promove essa falta de ânimo, mas como pais temos que da um jeito de burlar isso, hoje vou deixar dicas aqui que irão ajudar nessa fase escolar em meio a essa pandemia.


Uma pesquisa do Datafolha feita com 1.021 pais ou responsáveis de crianças do ensino fundamental e médio mostra que aumentou o envolvimento nas atividades escolares dos filhos.

Conhecer e ter um bom relacionamento com os professores, diretores e pedagogos é importante para saber como anda o rendimento do seu filho, saber em que você poderia estar ajudando-os nesse momento complicado.


Mesmo que isso vá ocupar o seu tempo, participe das reuniões online para pais e responsáveis, além de dá exemplo para o seu filho, você fica mais sintonizado com os professores.
Tenha sempre uma agenda com as tarefas e trabalhos do seu filho anotado, para você ter ciência dos prazos e se seu filho está cumprindo com as atividades.


Separe um momento junto com seu filho para ser reservado a estudar, nesse momento vocês podem realizar leituras juntos, ajuda-lo nas tarefas pois nem sempre nas aulas ele consegue tirar todas as duvidas, separar um momento pra isso é de extrema importância.
Se caso você vê que seu filho está tendo muita dificuldade em uma matéria, tente buscar uma ajuda externa, tem vários professores especializados oferecendo aula de reforço particular, é uma boa opção para que seu filho consiga se desenvolver naquela matéria.


A escola é uma parte importante na vida do nossos filhos, tanto o fundamental quanto o médio, é uma preparação para uma carreira, para um sonho que ele possa ter, mesmo nesses tempos caóticos, devemos sim priorizar a educação deles e ajuda-los.

E ai, gostou da dica?

Pequenos em quarentena: mas que situação!

A pandemia chegou bagunçando a vida de todo mundo, inclusive dos nossos pequenos, a rotina que eles tinham antes agora está de ponta cabeça, a ida a escola agora se transformou em levantar da cama e ir para a mesa do computador, as conversas e brincadeiras com os amiguinhos se transformou em conversas no whatsapp e jogos eletronicos, de primeira vista parece uma maravilha, mas será que realmente é assim?


Os pequenos possui muita energia para gastar e é importante saber lidar com isso, a rotina de antes de acordar, fazer as tarefas e ir pra escola e só voltar ao fim da tarde, não funciona mais assim, os pais trabalhando em home office também tem que saber administrar o tempo com o seu filho, pois a saude mental deles esta sendo afetada e por ser criança eles não sabem direito com oque estão lidando e isso reflete em seu comportamento.

O estresse e ansiedade já começam a afetar mais as crianças, a falta de atenção e interesse nas coisas já se tornam mais comuns, enquanto alguns tem a perda de apetite e não sentem vontade de comer, outros começam a comer muito mais do que o comum, tudo isso, sintomas de um inimigo invisivel que as prenderam dentro de casa.


Os pais precisam aprender que os tempos mudaram, e a forma como criamos nossos filhos também precisa se adaptar, alguns atos como por exemplo, obriga-lo a dormir cedo pra acordar cedo no outro dia, pode ser revisto, um novo horario limite pode ser colocado ai, assim com as outras também, é importante muito companherismo e empatia para ajudar nossos filhos a atravessar essa fase. Isso é tudo muito novo para todo mundo, inclusive para os papais também, e aqui tem uma listinha de atividades que você pode está fazendo com o seu filho em casa.


Cinema
Que tal, preparar aquela pipoca e escolherem um filme ou uma séria para passarem a noite juntos, e vocês ainda podem trabalhar a criatividade decorando o balde da pipoca e os copos, ainda criando os ingressos pra sessão.


Teatro de fantoches
Hora de soltar a imaginação, faça fantoche com seu filho e crie as histórias mais mirabulantes, desde uma aventura no espaço a uma história de pirata, o que sua imaginação decidir.


Cozinhar
Um café da tarde especial é tudo de bom, supervisione e ajude seu filho a fazer um bolo e um suco, deixe ele se sentir o mestre cuca. Atividades na cozinha pode mostrar um dom escondido.


Caça ao tesouro
Outra boa brincadeira, é o caça ao tesouro, espalhe alguns chocolates pela casa, e faça um jogo de perguntas, sendo que você só pode responder quente ou frio, será que vão conseguir achar todos os tesouros?

E ai, gostou da dica?

O que fazer se seu filho chora para ir à escola?

Um período de adaptação ao início da jornada na escola é normal para qualquer criança. Algumas lidam com isso melhor e se acostumam logo, enquanto outras choram e demoram um tempo para se adequar. Mas o que fazer se o seu filho continua chorando mesmo depois do processo de adaptação?

Foi pensando nisso que separamos algumas dicas de como prosseguir da melhor maneira caso isso esteja acontecendo com o seu filho, para que você não entre em pânico e ache que algo muito sério está acontecendo.

É importante frisar, primeiro, que isso é normal. Crianças de dois a três anos podem passar por um período de adaptação maior à escola, já que ainda são tão novas e ainda estão aprendendo a lidar com coisas novas e desafios em geral. Eles já entendem que a escola é sinônima de ficar longe da mãe e, por não saberem lidar com isso, choram! Além disso, eles passam a conviver com várias frustrações ao longo do dia, como ter horário definido para fazer cada coisa, e têm dificuldade para se adequar ao ‘novo normal’.

Vamos às dicas?

  • Mantenha a calma: demonstre ser calma e paciente em relação a esse assunto, já que a criança pode ficar ainda mais incomodada caso perceba que a situação também é frustrante para os pais.
  • Abuse do tradicional ‘vai passar’: converse com seu filho e tente fazê-lo entender que os problemas e frustrações que o estão incomodando são apenas passageiros e que isso faz parte do processo de crescimento. Além disso, aproveite para tentar entender a mesma coisa.
  • Converse com a escola: é importante manter um diálogo aberto com a escola quando isso acontece com a criança. Dessa forma, você evita negligenciar qualquer coisa que possa estar acontecendo com ele no ambiente escolar. Além disso, com os professores cientes da situação, eles podem trabalhar para tentar reduzir as frustrações desta fase da vida do seu filho.
  • Troque experiências com outros pais: estar em contato com os pais de outras crianças é essencial para que vocês troquem experiências e se ajudem nesse período de adaptação, já que esse problema é tão comum entre as crianças.

Em resumo, é importante manter a calma, conversar com as partes envolvidas e saber que este momento é passageiro. Fazendo isso, você vai conseguir amenizar esse período de adaptação do seu filho para que ele não se sinta tão frustrado.

E você, já passou por isso alguma vez?