Como organizar uma festa do pijama segura para as crianças

Não é segredo para ninguém que a pandemia tem nos obrigado a encontrar maneiras diferentes de manter contato com família, amigos e pessoas queridas.

Para as crianças, especialmente, esse isolamento é extremamente cruel, já que elas estão acostumadas a viver rodeadas de amiguinhos.

É seguro afirmar, inclusive, que um desenvolvimento saudável de uma criança está altamente ligado ao nível de socialização e à qualidade dos laços criados com outras pessoas, desde a família até amigos.

Por isso é importante buscar maneiras de manter um certo nível de socialização para os pequenos no início dessa fase final de pandemia, desde que com todos os cuidados necessários para que os riscos à saúde sejam os menores possíveis.

É importante ter em mente, primeiramente, que os encontros devem ser com poucas pessoas e bem reservados.

Pensando nisso preparamos uma série de dicas para que você faça uma festa do pijama segura para o seu filho e alguns amigos.

Que tal conferir?

Ambiente

Escolher um ambiente espaçoso e bem ventilado é essencial para que a festa do pijama corra bem.

Uma boa dica é afastar os móveis da sala e colocar colchões, sacos de dormir ou até mesmo barracas para que as crianças brinquem e depois durmam.

Outra coisa importante é retirar qualquer objeto que possa ser perigoso, pesado ou frágil de perto do ambiente das crianças. Isso faz com que as chances de acidentes diminuam e, portanto, deixa os pequenos mais seguros.

Cardápio

Tenha em mente que o ideal é que as festas comecem por volta das 18h para que as crianças não cheguem cansadas e sonolentas.

Para que elas não comecem a diversão de barriga vazia, prepare um lanche saudável logo no início da noite para garantir que todos fiquem de barriga cheia!

Vale apostar em opções como nuggets de legumes, saladas de frutas, sucos naturais e biscoitos integrais.

Faça um planejamento

Juntar crianças sem um planejamento mínimo de atividades é um convite enorme para a bagunça e confusão.

Sabendo disso, planeje-se para que as crianças tenham o que fazer do momento que chegarem até a hora de dormir.

Além disso, planejar uma série de atividades garante que as crianças estejam cansadas e com sono na hora de dormir, evitando maiores dificuldades no momento de descanso.

Prevenção contra o Covid-19

Em tempos de pandemia é extremamente importante ter em mente uma série de protocolos a serem seguidos para que qualquer reunião de pessoas, por menor que seja, possa ocorrer com o mínimo de risco possível para os envolvidos.

Por isso, ao elaborar a lista de convidados para a festa do pijama, opte por crianças que você tenha ciênciaa que estão se cuidando e se prevenindo no dia a dia.

Além disso, certifique-se de manter o número de convidados baixo já que ainda precisamos evitar grandes aglomerações. Uma festinha com três ou quatro amigos, por exemplo, já deve ser o suficiente.

Quando os pequenos chegarem peça-os para limparem as mãos com álcool em gel e deixar os sapatos do lado de fora a fim de diminuir a possibilidade de contágio do vírus.

Além disso não deixe que, durante a festinha, eles compartilhem objetos de uso pessoal como copos, talheres, escovas de dentes e outros.

Essas dicas devem garantir que o seu filho possa encontrar os amigos com segurança e socializar um pouco nessa fase da pandemia.

Esperamos ter ajudado!

E aí, curtiu?

Descubra como aproveitar o carnaval em tempos de pandemia

Não é segredo para ninguém que o carnaval de 2021 vai ser o mais diferente dos últimos tempos.

A fase de vacinação, que começou há algumas semanas, está visando primeiramente grupos de risco e, além disso, sabemos que a vacina só garante imunidade contra o vírus após a segunda dose.

Isso significa que, apesar dos enormes passos que demos em direção ao fim da pandemia, ainda precisaremos seguir as normas de segurança por algum tempo, inclusive no carnaval.

E é por isso que, em todo o Brasil, os desfiles de escolas de samba e os tradicionais bloquinhos de rua foram cancelados, deixando muita gente sem saber o que fazer no carnaval.

Para as crianças, principalmente, que adoram o feriado para brincar e passear, se manter entretido em casa aparenta ser uma tarefa difícil.

Você sabia, no entanto, que existem formas de você aproveitar esse carnaval com o seu filho sem desrespeitar nenhuma das medidas de segurança contra o Covid-19?

Pensando nisso, preparamos esse artigo com algumas ideias do que fazer nesse período para que ele não passe em branco para você ou o seu pequeno.

Venha conferir!

Descanse

Aproveite a oportunidade para recarregar não só as energias do seu filho, mas as suas também. Façam maratonas de filmes, leituras e outras atividades relaxantes que servirão para descansar o corpo e a mente.

Além disso, aproveitem para dormir algumas horinhas extras e mandar o cansaço do dia a dia embora!

Visite familiares

Não há nada melhor do que visitar os avós, não é mesmo? Aquela comida caseira insubstituível e a companhia da família são, sem dúvidas, coisas que elevam o astral e proporcionam momentos felizes.

Nesse momento, é claro, tenha bastante cuidado e assegure-se que todos os familiares que participarão do encontro estejam se cuidando, praticando o distanciamento social e o uso de máscaras, além de evitar aglomerações.

Recomenda-se, ainda, que os encontros com a família sejam mais restritos aos membros mais próximos, evitando ao máximo a aglomeração de um número grande de pessoas.

Brincadeiras em casa

Já que precisamos evitar as ruas, que tal um pouco de diversão em casa? Sugira brincadeiras em família como caça ao tesouro, esconde-esconde ou até mesmo jogos de tabuleiro.

Isso fará com que vocês tenham um momento feliz em família além, é claro, de manter as crianças entretidas.

Cuidados básicos

Ninguém gosta de perder o carnaval por estar passando mal e, para que isso não aconteça, é necessário seguir uma série de dicas básicas que não têm relação direta com a pandemia, como por exemplo:

  • Cuidados com o sol: caso você e o seu filho decidam passar um dia em uma praia menos movimentada, por exemplo, não se esqueça de se assegurar que ele utilize camisas de proteção contra os raios solares, além de um protetor solar adequado. Isso evitará insolações e queimaduras que poderiam acabar atrapalhando o feriado inteiro.
  • Hidratação: seja em passeios ou até mesmo em casa, é importante lembrar que ainda estamos no verão e, portanto, é indispensável nos mantermos hidratados nessa época. Dê preferência à água, sucos naturais e água de coco e evite refrigerantes e outras bebidas gaseificadas.

Se cuidar em relação ao sol e a desidratação vai proteger você e o seu filho de possíveis problemas de saúde e, dessa maneira, garantir que não haja nada impedindo esse carnaval de ser divertido para toda a família.

Temos certeza que essas dicas vão fazer com que esse carnaval, mesmo diferente, seja inesquecível!

Afinal, qual é a idade ideal para dar um aparelho eletrônico para o meu filho?

A tecnologia vem se aperfeiçoando ao longo dos anos e se tornando cada vez mais acessível para todos e, com isso, pessoas de todas as idades têm usado cada vez mais smartphones, tablets e aparelhos eletrônicos em geral. Mas a partir de que idade, exatamente, é saudável dar aparelhos eletrônicos para uma criança? Adultos, por terem o discernimento e a maturidade necessárias, conseguem fracionar o uso para que ele não afete a realização de outras tarefas do dia a dia, porém crianças não. Tendo isso em vista, é necessário levar uma série de fatores em consideração antes de decidir dar um smartphone, por exemplo, para o seu filho.

Segundo a doutora em Educação pela PUC-Rio, Andrea Ramal, é necessária bastante reflexão antes de entregar um aparelho eletrônico a uma criança antes dos 12 anos. Não necessariamente por elas não estarem prontas para manusear a tecnologia, mas sim por talvez não terem o preparo mental para fazê-lo. Para muitas crianças, a internet se torna a única maneira de enxergar o mundo, e é aí que mora o problema. Moderação e cautela são essenciais, principalmente se tratando de um ambiente onde todo tipo de coisa está presente.

Seguindo esse raciocínio, a doutora afirma que não existe idade pré-definida para que uma criança passe a ter acesso a internet. Isso vai variar de acordo com a maturidade de cada um, e o importante é que os pais sempre estejam por perto supervisionando, ocasinalmente, o uso, e garantindo que a criança não extrapole o tempo determinado para o acesso.

Afinal de contas, privar o filho do uso do acesso a internet não é a solução. Em um mundo cada vez mais digital, isso seria deixá-los obsoletos ao que acontece no planeta e até atrasados para o mercado de trabalho, futuramente, quando estarão competindo por vagas que exigem destrezas e conhecimento em aparelhos eletrônicos.

Mas quais cuidados tomar, exatamente, depois que o seu filho ganha um smartphone?

É importante que você imponha limites de uso, monitore e, é claro, dê o exemplo. Afinal, você é a maior influência do seu filho. Se assegure que ele entenda que a internet não é o único meio de comunicação e faça questão de conversar sobre os possíveis perigos da internet.

No fim das contas, então, não existe idade ideal. O que importa é acompanhar o desenvolvimento da criança e constatar que ele está maduro o suficiente para lidar com a tecnologia de maneira positiva. A partir daí, então, se faça presente e acompanhe a jornada do seu filho com o aparelho para garantir que ele esteja utilizando de maneira saudável e sem excessos.

Volta às aulas: como garantir que o retorno do seu filho à escola seja o mais seguro possível na pandemia

O mês de fevereiro começa hoje e com ele vem o retorno das aulas presenciais em grande parte das escolas do estado. A primeira coisa que pensamos ao saber disso, é claro, é no perigo de que as crianças contraiam o Covid-19, que ainda é uma preocupação real apesar da fase de vacinação já ter começado em alguns lugares.

Por isso, é importante que os pais e as escolas estejam atentos aos protocolos de segurança que devem ser seguidos para que as aulas presenciais ocorram sem comprometer a saúde dos pequenos e de suas famílias. De antemão, é importante lembrar que as escolas passaram quase um ano se preparando e se adequando para que a volta às aulas em 2021 pudesse acontecer e, por isso, segundo especialistas, são ambientes bastante seguros quando comparados ao resto. Ainda assim, no entanto, é importante que pais e filhos tenham conhecimento sobre as regras que vão constituir o ‘novo normal’ nas escolas.

Pensando nisso, separamos uma lista de coisas as quais os pais precisam estar atentos para que os filhos possam frequentar o ambiente escolar com segurança.

Material escolar

Se as aulas na escola do seu filho só forem começar após o feriado de carnaval, aproveite para comprar o material escolar o quanto antes. Apesar da expectativa de que as pessoas iriam às papelarias com antecedência nesse ano para evitar aglomerações, a realidade é a mesma de outros anos: a maioria das pessoas ainda está deixando para a última hora. Por isso, se for possível, adiante-se e evite correr esse risco desnecessário.

Outra dica é optar por papelaria que possuam lojas online e entreguem os materiais em casa. Nesse caso, no entanto, ainda é importante que a compra seja feita o quanto antes, para não correr o risco dos materiais não chegarem a tempo.

Medidas de segurança

É essencial reforçar a importância de seguir as normas de segurança que temos seguido nos últimos meses, especialmente em ambientes fechados como a escola.

  • Álcool em gel: o álcool em gel é a maneira mais segura de eliminar constantemente as bactérias que ficam nas mãos das crianças. Por colocarem as mãos no rosto e na boca constantemente, é indispensável que as mãos dos pequenos estejam sempre limpas.
  • Máscara: o uso de máscaras segue sendo indispensável para a vida em sociedade, especialmente em ambientes fechados. É importante conversar com as crianças e explicar a maneira correta de utilizar as máscaras, cobrindo nariz e boca. Além disso, explique que o uso da máscara deve ser contínuo e individual.
  • Distanciamento: apesar da implementação do distanciamento ser responsabilidade da escola, é importante conversar com as crianças sobre o distanciamento mínimo de um metro e meio de outros colegas e professores. As crianças adoram estar próximos de seus amigos e, por isso, é indispensável que os pais deem uma atenção especial à esse quesito.
  • Água: converse com seu filho sobre o perigo da utilização de bebedouros e providencie uma garrafinha de água individual para ele levar para a escola. Apesar da remoção de bebedouros ser de responsabilidade das escolas, é sempre melhor prevenir do que remediar.

Emocional

Seguir todas essas orientações e não poder ter contato direto com amigos tem, obviamente, um impacto na saúde mental das crianças. O momento que vivemos é extremamente complicado e afeta todos nós.

Manter um diálogo constante com os filhos é essencial para que eles se sintam acolhidos nessa hora de tantas mudanças. Além disso, as escolas devem instruir seus funcionários a serem mais atenciosos com as crianças para que elas se adaptem à essa nova realidade que, apesar de passageira, ainda vai durar algum tempo. Outro ponto para se atentar é a saúde mental das crianças antes mesmo da volta às aulas. Por estarem a tanto tempo confinados em casa, os pequenos podem precisar de uma atenção emocional maior.

Tenha em mente que seus filhos ainda são pequenos e podem ter dificuldades para compreender tudo que está acontecendo, principalmente quando se depararem com uma realidade escolar completamente diferente da que estavam acostumadas.

Entender tudo isso é o primeiro passo para que a volta às aulas presenciais aconteça sem causar prejuízos para os seus filhos. Unidos, os esforços da escola, das crianças e dos pais têm tudo para serem suficientes para combater o vírus nessa volta às aulas.

Como cuidar de um recém-nascido

Apesar de ser um momento muito feliz e marcante para uma mãe, o nascimento do primeiro filho traz algumas preocupações que podem causar estresse e insegurança. Para evitar essas preocupações e sanar qualquer tipo de dúvida, preparamos algumas dica importantes sobre como cuidar de um bebê nos seus primeiros 28 dias de vida.

  • Estimular a amamentação: o bebê deve ser levado ao seio da mãe ainda na sala de parto, com o intuito de familiarizá-lo com o contato pele a pele, facilitando a amamentação posteriormente. Mesmo que ele não mame na hora, seu corpo tem nutrientes suficientes para se manter bem até a próxima amamentação.
  • Mantenha uma circulação restrita: evite que muitas pessoas tenham contato com o bebê nos primeiros dias, mas caso opte por receber alguém, certifique-se de que lavem as mãos antes de tocar no bebê, para evitar possíveis doenças ou infecções. O mesmo vale para o contato com os pais.
  • Preze por um ambiente calmo: tenha em mente que seu filho acaba de sair do útero materno, um lugar silencioso e calmo. Por isso, é essencial que, nos primeiros dias, você tente manter um ambiente similar àquele com o qual o bebê estava acostumado, principalmente nos momentos de dormir e amamentar.
  • A hora do banho: ainda na maternidade a enfermeira fará um banho demonstrativo. Em casa, basta reproduzir o que aprendeu, e lembre-se sempre de usar água quentinha, mas confortável. Recomenda-se que enrole o bebê em uma toalha e lave a cabeça primeiro, para depois lavar o resto de seu corpo
  • Trocando a fralda: apesar de não precisar trocar as fraldas toda vez que o bebê faz xixi, os primeiros dias serão intensos no quesito higiene, já que o recém-nascido tende a fazer cocô oito vezes ao dia. Evite o uso de lenços umedecidos, já que eles contém químicos que podem irritar a pele do bebê, e opte por algodão e água, limpando o bebê sempre da frente para trás, independentemente do sexo. Lembre-se sempre de não ser agressivo e fazer todo o procedimento de maneira suave.
  • Como lidar com o coto umbilical: normalmente o coto umbilical cai até o 15º dia de vida, mas até lá, limpe-o, principalmente na base, com álcool 70% toda vez que for trocas as fraldas.
  • Evite passear: no primeiro mês de vida, é importante que o bebê fique em casa e não seja exposto. Além dos riscos de saúde, devido a poluição da rua, o bebê pode ficar estressado com os barulhos, movimentos e cheiros fortes.
  • O colo: quando for segurar seu bebê no colo, tenha em mente que nessa fase eles estão mais propensos a refluxos, então precisam ser segurados sempre com a cabeça elevada em relação ao resto do corpo. Por não ter forças para segurar a própria cabeça sozinho ainda, você terá sempre que segurar a cabeça do bebê.
  • Como aliviar as cólicas: a partir da terceira semana, é comum que as cólicas intestinais comecem a aparecer. Para amenizá-las, faça massagens suaves na barriga do bebê e use compressas de água morna, porém nunca diretamente na pele.

Lembre-se também de que não é só o bebê que necessita de cuidado nessas horas, afinal, a mãe tende a ficar sobrecarregada com a amamentação e todas as demandas do recém-nascido. Portanto, é importante que o pai esteja sempre presente e ajude com todas as necessidades do bebê.

Esperamos que essas dicas possam te ajudar a cuidar melhor do seu bebê recém-nascido e sanar algumas da suas preocupações!

Click here to add your own text

Medo de dormir sozinho, como resolver?

Seu filho tem medo de dormir sozinho? O medo de escuro se desenvolve a partir dos 2 ou 3 anos. Durante a noite o medo parece mais real uma vez que além do escuro a criança fica imersa na sua imaginação. Fora isso, é o momento em que ela se vê sozinha sem os pais, ou seja, sente-se desprotegida. Por isso, separamos algumas dicas do que fazer para ajudar seu filho na hora de dormir.  

Desmistifique os medos 

Mostre a eles que aquele medo não faz sentido, ou se fizer sentido, mostre que ao dormir ele estará seguro dentro de casa. Familiarize a criança com o medo. 

Seja criativo  

Crie brincadeiras ou “super poderes” contra os monstros imaginários.  

Não desvalorize os medos 

Os medos de uma criança são reais, ainda que os monstros não sejam. Desacreditá-los e desvalorizá-los só implicará que os deixe de partilhar consigo. 

Ajude a criar mecanismos de defesa 

Conte sobre seus medos quando criança para o encorajar. Pois ao ver seus pais vencendo os medos deles, eles vão se sentir capaz também.  

Além de todas essas dicas, crie um ambiente confortável para que seu filho possa dormir se sentindo seguro.  

E ai, gostou das dicas? 

Conjunto carrinho com bebê conforto Touring Evolution Burigotto

A família está crescendo e você mamãe deve estar ficando louca com tanta coisa que precisa organizar para a chegada do bebê, não é mesmo? Dois itens muito importantes nessa lista com certeza são o carrinho e o bebê conforto.

Pensando nisso, vamos te ajudar na procura desses dois itens mostrando detalhes de um conjuto desonvolvido pela conceituada marca italiana Burigotto (@burigotto_oficial), disponível para compra em nosso site e loja física.


Conjunto Touring Evolution Burigotto


O carrinho AT6 tem encosto e capota reversível com visor para que os pais possam olhar o bebê, porta bebidas, protetor frontal e porta objetos. O assento possibilita posições e inclinações diferentes e possui manopla ajustável. Com isso, você pode deixar o bebê de frente para quem estiver pilotando o carrinho ou de frente para a rua. O bebê conforto é capaz de comportar crianças de até 13kg e o carrinho, até 15kg. Além do conjunto, em nosso site você encontra outros modelos de carrinhos e bebê conforto.

Informações:
Carro AT6 K
Capota regulável e removível, com visor.
Cabo reversível.
Cinto de segurança de 5 pontos.
Protetor frontal e bandeja.
Encosto reclinável em 4 posições.
Trava sistema de fixação para cadeira Touring Evolution SE.
Cesta porta objetos.
Freio traseiro conjugado.
Giratórios com freios nos conjuntos de rodas dianteiras.
Cadeira Touring Evolution SE:
Alça de apoio e para transporte.
Capota removível.
Protetor para a cabeça (removível).
Estrutura em plástico de engenharia, leve e resistente.
Concha arredondada para balanço.
Cinto de segurança de 3 pontos com protetor acolchoado e 3 posições de regulagem de altura dos ombros.

Segurança do trânsito: bebê conforto
Deslocar os pequenos de um lugar para o outro sem o auxílio do bebê conforto pode ser muito perigoso, uma vez que as crianças recém-nascidas ainda não possuem a sustentação básica. Portanto, é inadmissível passear de carro com bebês sem a utilização deste item.
Agora é lei!
O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.071, que promove uma série de alterações no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Cadeirinhas serão obrigatórias para crianças com menos de 10 anos que ainda não atingiram 1,45m. Elas deverão ser transportadas no banco traseiro. Em caso de descumprimento, a infração será considerada gravíssima, com multa de R$ 293,47, mais sete pontos na carteira.