Posts

Nova lei da cadeirinha nos veículos para crianças.

No dia 12 de abril entrou em vigor a nova versão da “lei da cadeirinha”. Traz mudanças importantes para o transporte de crianças. Entre elas está à obrigatoriedade para crianças com até 10 anos de idade ou que tenham menos de 1,45m devem ser transportadas no banco traseiro e usar os dispositivos de altura, as cadeirinhas. O uso do cinto de segurança também é obrigatório.
Quem desrespeitar as novas regras poderá ser autuado com uma multa de infração gravíssima, no valor de R$ 293,47 e 7 pontos na carteira.
Além disso, a nova lei traz adequações em função do peso e da altura das crianças, proporcionando ainda mais segurança no momento de escolher o dispositivo.

Conheça as cadeirinhas ideais para cada idade e observe as mudanças

• Bebê conforto: indicado para crianças de até um ano de idade e até 13 kg. O bebê deve ser colocado no banco traseiro e posicionado ao contrário, pois assim estará protegido caso haja um impacto maior quando o carro estiver em movimento.

• Assento infantil (Cadeirinha): utilizada para crianças de 1 a 4 anos de idade, que tenham entre 9 e 18 kg. Deve ser fixado no banco traseiro e criança deve ser posicionada para a frente, na direção do movimento do carro.
• Assento de elevação: indicado para crianças de 4 a 7 anos e meio de idade que não tenham atingido 1,45 m de altura, com peso entre 15 e 36 kg. A criança deve ser transportada no banco de trás sentada no banco de elevação, que permitirá o uso correto do cinto.
• Crianças com mais de 7 anos e meio de idade até 10 anos que ainda não tenham atingido 1,45 m de altura: banco traseiro, usando o cinto de segurança.

A importância da cadeirinha para as crianças

O uso das cadeirinhas de segurança para as crianças tem um único objetivo: proteger a vida dos pequenos em caso de acidente. Um estudo realizado recentemente pela Fundación Mapfre mostra que no Brasil morrem 32 crianças em acidentes de trânsito para cada milhão de habitantes de 0 a 14 anos. Grande parte dessas mortes se dá pelo não uso das cadeirinhas de segurança.

Conforto e segurança

Sabemos que a segurança é muito importante, mas saber se a criança está confortável é indispensável!
Por esse motivo, verifique se o modelo escolhido é o ideal para o conforto do seu pequeno e nunca deixe a criança em um longo período na mesma posição na cadeirinha, pois pode ser prejudicial à sua saúde.
Além disso, antes de fixar a cadeirinha no veículo, tenha sempre o manual de instruções em mãos e certifique-se se ela está sendo posicionada da forma correta, pois uma cadeirinha mal instalada pode causar grandes danos e que podem colocar em risco a vida da criança.
Agora que você já sabe da nova lei, vamos garantir a segurança do seu filho e adquirir a cadeirinha ideal para ele!

Saiba qual é a idade ideal para seu filho começar a praticar esportes.

Os esportes são parte fundamental do desenvolvimento de uma criança, já que servem para a melhora das habilidades motoras e comunicativas. Muitos pais, no entanto, não sabem qual é o momento ideal para que seus filhos comecem a praticar esportes.

O texto de hoje é para te ajudar a entender melhor tudo que envolve o início da prática de atividades físicas para crianças.

Primeiro, o básico: esteja sempre atento ao desenvolvimento das habilidades motoras e de comunicação do seu filho, já que elas são essenciais para a prática de qualquer esporte, já que eles requerem algum grau de independência. É claro, no entanto, que cada esporte exige uma destreza diferente e, por isso, cada um tem uma idade mais apropriada para início.

Agora, ao que interessa: qual é a idade ideal para que meu filho comece a praticar cada esporte?

Natação

Segundo especialistas, a natação pode ser praticada desde a primeira idade, com a condição de ter sempre o acompanhamento profissional, é claro. O início das atividades na piscina é feita de maneira lúdica, para que o bebê se familiarize com a água e possa desenvolver cada vez mais suas habilidades, até estar apta para começar a praticar de fato. Além disso, o volume do treino deve aumentar conforme a idade.

Futebol

As escolinhas de futebol aceitam alunos a partir dos três anos de idade e, assim como a natação, começam de forma lúdica e divertida. A partir dos 6 anos, aproximadamente, é que as crianças começam a treinar os fundamentos básicos do esporte, como o passe, o chute e o drible. Por ser um esporte extremamente popular no país, as escolinhas de futebol costumam sempre ter muitas crianças e promover um ambiente muito positivo para o desenvolvimento social do seu filho.

Surfe

Por se tratar de um esporte praticado no mar, o surfe oferece um perigo ao seu filho caso não possua supervisão e orientação profissionais adequadas e, por isso, deve sempre ser praticado em escolinhas especializadas. Tendo isso em mente, a partir dos quatro anos de idade é possível iniciar as atividades em uma escolinha. O professor deve estar sempre atento ao desenvolvimento individual de cada aluno, adequando as aulas para que todos evoluam ser se sentirem frustrados.

Artes marciais

É recomendado que as artes marciais sejam iniciadas a partir dos sete anos, já que são esportes de maior exigência física. A partir daí, o treinamento é desenvolvido de forma menos intensa até os 13 anos, quando a criança pode de fato começar a aumentar o nível dos treinamentos. As artes marciais, além de ajudarem a manter as crianças ativas fisicamente, ajuda no aprendizado de valores como a disciplina e o comprometimento.

As atividades físicas servem para melhorar a auto-estima, a socialização, a coordenação motora e inúmeros outros fatores físicos e mentais.

Agora que você sabe a idade ideal para que seu filho inicie a prática de um esporte, basta que vocês escolham o que ele prefere para ele começar!

Descubra como aproveitar o carnaval em tempos de pandemia

Não é segredo para ninguém que o carnaval de 2021 vai ser o mais diferente dos últimos tempos.

A fase de vacinação, que começou há algumas semanas, está visando primeiramente grupos de risco e, além disso, sabemos que a vacina só garante imunidade contra o vírus após a segunda dose.

Isso significa que, apesar dos enormes passos que demos em direção ao fim da pandemia, ainda precisaremos seguir as normas de segurança por algum tempo, inclusive no carnaval.

E é por isso que, em todo o Brasil, os desfiles de escolas de samba e os tradicionais bloquinhos de rua foram cancelados, deixando muita gente sem saber o que fazer no carnaval.

Para as crianças, principalmente, que adoram o feriado para brincar e passear, se manter entretido em casa aparenta ser uma tarefa difícil.

Você sabia, no entanto, que existem formas de você aproveitar esse carnaval com o seu filho sem desrespeitar nenhuma das medidas de segurança contra o Covid-19?

Pensando nisso, preparamos esse artigo com algumas ideias do que fazer nesse período para que ele não passe em branco para você ou o seu pequeno.

Venha conferir!

Descanse

Aproveite a oportunidade para recarregar não só as energias do seu filho, mas as suas também. Façam maratonas de filmes, leituras e outras atividades relaxantes que servirão para descansar o corpo e a mente.

Além disso, aproveitem para dormir algumas horinhas extras e mandar o cansaço do dia a dia embora!

Visite familiares

Não há nada melhor do que visitar os avós, não é mesmo? Aquela comida caseira insubstituível e a companhia da família são, sem dúvidas, coisas que elevam o astral e proporcionam momentos felizes.

Nesse momento, é claro, tenha bastante cuidado e assegure-se que todos os familiares que participarão do encontro estejam se cuidando, praticando o distanciamento social e o uso de máscaras, além de evitar aglomerações.

Recomenda-se, ainda, que os encontros com a família sejam mais restritos aos membros mais próximos, evitando ao máximo a aglomeração de um número grande de pessoas.

Brincadeiras em casa

Já que precisamos evitar as ruas, que tal um pouco de diversão em casa? Sugira brincadeiras em família como caça ao tesouro, esconde-esconde ou até mesmo jogos de tabuleiro.

Isso fará com que vocês tenham um momento feliz em família além, é claro, de manter as crianças entretidas.

Cuidados básicos

Ninguém gosta de perder o carnaval por estar passando mal e, para que isso não aconteça, é necessário seguir uma série de dicas básicas que não têm relação direta com a pandemia, como por exemplo:

  • Cuidados com o sol: caso você e o seu filho decidam passar um dia em uma praia menos movimentada, por exemplo, não se esqueça de se assegurar que ele utilize camisas de proteção contra os raios solares, além de um protetor solar adequado. Isso evitará insolações e queimaduras que poderiam acabar atrapalhando o feriado inteiro.
  • Hidratação: seja em passeios ou até mesmo em casa, é importante lembrar que ainda estamos no verão e, portanto, é indispensável nos mantermos hidratados nessa época. Dê preferência à água, sucos naturais e água de coco e evite refrigerantes e outras bebidas gaseificadas.

Se cuidar em relação ao sol e a desidratação vai proteger você e o seu filho de possíveis problemas de saúde e, dessa maneira, garantir que não haja nada impedindo esse carnaval de ser divertido para toda a família.

Temos certeza que essas dicas vão fazer com que esse carnaval, mesmo diferente, seja inesquecível!

Afinal, qual é a idade ideal para dar um aparelho eletrônico para o meu filho?

A tecnologia vem se aperfeiçoando ao longo dos anos e se tornando cada vez mais acessível para todos e, com isso, pessoas de todas as idades têm usado cada vez mais smartphones, tablets e aparelhos eletrônicos em geral. Mas a partir de que idade, exatamente, é saudável dar aparelhos eletrônicos para uma criança? Adultos, por terem o discernimento e a maturidade necessárias, conseguem fracionar o uso para que ele não afete a realização de outras tarefas do dia a dia, porém crianças não. Tendo isso em vista, é necessário levar uma série de fatores em consideração antes de decidir dar um smartphone, por exemplo, para o seu filho.

Segundo a doutora em Educação pela PUC-Rio, Andrea Ramal, é necessária bastante reflexão antes de entregar um aparelho eletrônico a uma criança antes dos 12 anos. Não necessariamente por elas não estarem prontas para manusear a tecnologia, mas sim por talvez não terem o preparo mental para fazê-lo. Para muitas crianças, a internet se torna a única maneira de enxergar o mundo, e é aí que mora o problema. Moderação e cautela são essenciais, principalmente se tratando de um ambiente onde todo tipo de coisa está presente.

Seguindo esse raciocínio, a doutora afirma que não existe idade pré-definida para que uma criança passe a ter acesso a internet. Isso vai variar de acordo com a maturidade de cada um, e o importante é que os pais sempre estejam por perto supervisionando, ocasinalmente, o uso, e garantindo que a criança não extrapole o tempo determinado para o acesso.

Afinal de contas, privar o filho do uso do acesso a internet não é a solução. Em um mundo cada vez mais digital, isso seria deixá-los obsoletos ao que acontece no planeta e até atrasados para o mercado de trabalho, futuramente, quando estarão competindo por vagas que exigem destrezas e conhecimento em aparelhos eletrônicos.

Mas quais cuidados tomar, exatamente, depois que o seu filho ganha um smartphone?

É importante que você imponha limites de uso, monitore e, é claro, dê o exemplo. Afinal, você é a maior influência do seu filho. Se assegure que ele entenda que a internet não é o único meio de comunicação e faça questão de conversar sobre os possíveis perigos da internet.

No fim das contas, então, não existe idade ideal. O que importa é acompanhar o desenvolvimento da criança e constatar que ele está maduro o suficiente para lidar com a tecnologia de maneira positiva. A partir daí, então, se faça presente e acompanhe a jornada do seu filho com o aparelho para garantir que ele esteja utilizando de maneira saudável e sem excessos.

O que fazer se seu filho chora para ir à escola?

Um período de adaptação ao início da jornada na escola é normal para qualquer criança. Algumas lidam com isso melhor e se acostumam logo, enquanto outras choram e demoram um tempo para se adequar. Mas o que fazer se o seu filho continua chorando mesmo depois do processo de adaptação?

Foi pensando nisso que separamos algumas dicas de como prosseguir da melhor maneira caso isso esteja acontecendo com o seu filho, para que você não entre em pânico e ache que algo muito sério está acontecendo.

É importante frisar, primeiro, que isso é normal. Crianças de dois a três anos podem passar por um período de adaptação maior à escola, já que ainda são tão novas e ainda estão aprendendo a lidar com coisas novas e desafios em geral. Eles já entendem que a escola é sinônima de ficar longe da mãe e, por não saberem lidar com isso, choram! Além disso, eles passam a conviver com várias frustrações ao longo do dia, como ter horário definido para fazer cada coisa, e têm dificuldade para se adequar ao ‘novo normal’.

Vamos às dicas?

  • Mantenha a calma: demonstre ser calma e paciente em relação a esse assunto, já que a criança pode ficar ainda mais incomodada caso perceba que a situação também é frustrante para os pais.
  • Abuse do tradicional ‘vai passar’: converse com seu filho e tente fazê-lo entender que os problemas e frustrações que o estão incomodando são apenas passageiros e que isso faz parte do processo de crescimento. Além disso, aproveite para tentar entender a mesma coisa.
  • Converse com a escola: é importante manter um diálogo aberto com a escola quando isso acontece com a criança. Dessa forma, você evita negligenciar qualquer coisa que possa estar acontecendo com ele no ambiente escolar. Além disso, com os professores cientes da situação, eles podem trabalhar para tentar reduzir as frustrações desta fase da vida do seu filho.
  • Troque experiências com outros pais: estar em contato com os pais de outras crianças é essencial para que vocês troquem experiências e se ajudem nesse período de adaptação, já que esse problema é tão comum entre as crianças.

Em resumo, é importante manter a calma, conversar com as partes envolvidas e saber que este momento é passageiro. Fazendo isso, você vai conseguir amenizar esse período de adaptação do seu filho para que ele não se sinta tão frustrado.

E você, já passou por isso alguma vez?

3 receitas deliciosas para fazer com seu filho nas férias

Cozinhar com os filhos é uma ótima maneira de criar desde cedo uma boa relação com a comida. Dessa forma, as crianças entendem o valor de uma boa refeição e desenvolvem um paladar mais diversificado. Além disso, a hora da cozinha é um ótimo momento para estreitar laços e passar um tempo de qualidade com os filhos, conversando e interagindo enquanto fazem a comida.

Hoje, separamos 3 receitas fáceis de fazer que você e o seu filho vão adorar.

Panqueca de banana

Ingredientes:

  • 1 colher de sobremesa de aveia
  • 1 ovo
  • 1 banana madura
  • 1 colher de chá de canela
  • 1 colher de sobremesa de cacau em pó

Modo de preparo:

Amasse a banana com um garfo, acrescente a canela e reserve. Em seguida, em outro recipiente, amasse a banana com um garfo, acrescente a veia e o cacau e misture bastante. Por último, junte ao demais ingredientes eleve para uma frigideira untada com um fio de óleo até dourar.

Omelete de forno

Ingredientes:

  • 6 claras de ovo
  • 4 gemas de ovo
  • 1 tomate
  • 1/3 cabeça de brócolis
  • 1 colher de sopa de orégano
  • Sal a gosto
  • Manteiga ou margarina para untar

Modo de preparo:

Primeiro, preaqueça o forno na temperatura de 180°. Em seguida, com a ajuda de um pincel, unte a forma com manteiga ou margarina. Depois, corte o tomate o tomate em cubos pequenos e o brócolis em ramos. Bata as claras em neve em uma batedeira e misture as gemas com a ajuda de uma espátula, acrescente o sal e, por último, leve ao forno até dourar.

Guacamole

Ingredientes:

  • 1 abacate
  • 1 cebola roxa
  • 1 limão (sumo)
  • 1 dente de alho
  • 2 tomates
  • Cheiro verde ou coentro
  • Azeite de oliva extravirgem
  • Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Primeiro, retire o abacate da casca e amasse-o com um garfo. Em seguida, pique o tomate e a cebola e as ervas. Por último, amasse o alho, misture com todos os ingredientes e tempere com as ervas, o sal, o azeite, a pimenta e o limão.

Sempre treine seus filhos para que eles desenvolvam seu paladar e sua destreza na cozinha gradualmente, e lembre-se de distribuir as atividades de acordo com a capacidade de cada filho e cuidar para que eles não tenham acesso a objetos que podem machucá-los, como facas e tesouras.

Agora que você já conhece essas receitas de dar água na boca, basta chamar o seu filho para a cozinha e começar a diversão!

8 dicas para aproveitar as férias com seus filhos

Além de serem sinônimos de férias e diversão para as crianças, os meses de dezembro e janeiro trazem também uma oportunidade única para os pais passarem mais tempo com seus filhos. Em meio à essa época de brincadeiras, passeios e aventuras, separamos 8 dicas para você aproveitar as férias com seus filhos e garantir que vocês se divirtam juntos durante esse tempo tão esperado.

Vamos lá?

  1. Cozinhar: botar a mão na massa na cozinha com as crianças é sempre uma grande diversão. Nas férias, aproveite para fazer desse momento uma rotina, cozinhando receitas divertidas com seu filho várias vezes por semana. Com isso, além de se divertirem juntos, você pode incentivá-lo a comer melhor.
  2. Noite do pijama: talvez essa seja a dica mais certeira de todas, já que as crianças amam uma bagunça de noite. Convide alguns primos ou amigos para participar e planeje brincadeiras, jogos, filmes e alguns petiscos.
  3. Piquenique: escolha um lugar bonito, fresco e arborizado e leve seus filhos para um piquenique. Procure levar comidas saudáveis, já que essa é outra oportunidade de fazê-lo comer melhor, e não se esqueça do protetor solar, caso seja um dia ensolarado.
  4. Desenhar: além de servir para desenvolver as habilidades motoras e a criatividade, as crianças amam desenhar. Faça questão de incentivá-los a usar várias cores e ser bem criativos.
  5. Visitar um familiar: outra ótima opção para um dia diferente é ir visitar um parente. Além de se divertirem no carro na ida e na volta, as crianças vão estreitar os laços com a família e aprender a valorizar esses momentos.
  6. Dia da faxina: apesar de não ser, necessariamente, uma brincadeira, a faxina pode ser muita divertida quando acompanhada de muita música e bom humor. Aproveite o momento para incentivar seu filho a dançar, cantar e gastar bastante energia.
  7. Dia de karaokê: o karaokê é uma das coisas mais divertidas que existem, tanto para crianças quanto para adultos. Experimente cantar músicas diferentes, com letras que vocês não conhecem, para garantir muitas gargalhadas.
  8. Passeio pela cidade: leve seu filho para conhecer pontos turísticos, praias e restaurantes da cidade. Além de se divertir, ele vai aprender muito sobre a cultura do lugar onde mora.

Com essas dicas, você tem a faca e o queijo nas mão para proporcionar férias incríveis para o seu filho. E aí, o que está esperando para ir aproveitar com o pequeno?

Saiba como proteger seus filhos do sol e da desidratação neste verão

Finalmente chegaram as férias de verão, a época do ano mais esperada pelas crianças para brincar, relaxar e se divertir. Para os pais, no entanto, é necessário ter uma série de cuidados para que os filhos não sejam prejudicados pelas fortes radiações solares e temperaturas do período.

A desidratação e a insolação são exemplos comuns de problemas que podem ser causados pelos descuidos em relação ao calor e a luz solar que, além desses problemas, podem causar até câncer de pele em casos mais graves.

Pensando nisso, separamos uma lista de dicas importantes para que você proteja seus filhos e garanta que eles curtam as férias sem nenhum risco. Vamos lá?

  • Protetor solar

Busque orientação pediátrica na hora de escolher o protetor solar ideal para o seu filho. Para crianças de seis meses até dois anos, por exemplo, existem os filtros 100% físicos. A partir dos dois anos, já é recomendado o uso de protetores denominados ‘kids’ ou ‘para crianças’.

Além disso, os protetores adequados são normalmente os de FPS 30 ou maiores, com resistência à água e que não ardem os olhos. Antes de utilizar, faça um teste em uma pequena parte do corpo da criança para se certificar que não haverá irritação da pele.

Faça o uso do creme protetor solar cerca de 30 minutos antes da exposição ao sol, e não se esqueça de reaplicar o produto a cada duas horas. Além disso, certifique-se de utilizar o protetor mesmo em dias nublados.

A utilização do protetor solar não é recomendada para bebês de até seis meses, já que eles ainda têm a pele muito fina e sensível. Nesses casos, o ideal é que os bebês tomem pequenos banhos de sol no início da manhã ou no final da tarde.

  • Evite o excesso

Evite que seus filhos estejam expostos ao sol entre as 10 e 16 horas. Isso porque esse é o horário com a maior incidência de raios solares nocivos à pele e a saúde, podendo causar insolação, desidratação e até queimaduras.

Além disso, lembre-se de, mesmo em horários mais amenos, não exagerar no tempo exposto ao sol e garantir que as crianças estejam hidratadas. Água mineral, sucos naturais e água de coco, por exemplo, são boas opções para se manter hidratado durante o tempo exposto ao sol.

Se a criança já estiver desidratada, no entanto, recomenda-se o uso de soro oral, encontrado em farmácias e postos de saúde. Bebidas isotônicas, água de coco e água não funcionam como forma de reidratação para alguém desidratado. Além disso, deve-se procurar um médico.

Com esses cuidados, seus filhos vão poder aproveitar as férias com saúde e sem maiores complicações, afinal, é por esse momento que eles passam o ano esperando!