Posts

Pilates na gestação: Porque praticar?

A gravidez é um momento muito delicado para a saúde das mulheres, podendo causar muito desconforto e dores no corpo. Além disso, ainda há toda questão hormonal que acontece no organismo da gestante e gera uma montanha russa de emoções.

Nesta fase da vida das mulheres, é recomendado que se pratique algum esporte, e o pilates é uma ótima opção, visto que trará diversos benefícios. O maior diferencial desta atividade, é que os exercícios são executados levando em consideração o que precisa ser beneficiado em cada um dos trimestres da gestação e ainda visando todos os cuidados.

Assim, listamos alguns dos benefícios dessa prática para futuras mamães:
-O pilates auxilia a manter uma boa postura. Fortalecendo assim, o cinturão abdominal.

  • A prática contém exercícios de alongamentos e relaxamento que trarão satisfação, leveza e alegria a rotina da mulher, que está se exercitando mas não de uma forma pesada e exaustiva
  • O parto pode ser facilitado pois tal esporte fortalece os músculos pélvicos das mulheres e ainda as ensina a controlar essa zona pélvica.
  • Com aulas de pilates, ganha-se maior controle da respiração o que pode ajudar bastante no momento das contrações do parto
    -A prática do pilates melhora a qualidade do sono, mantendo a gestante mais energizada durante o dia.
  • O pilates cria uma ‘irrigação’ de sangue equilibrado por todas as partes do corpo ao praticar uma variedade de posições
    -Esta atividade irá ajudar bastante também na sua recuperação pós parto e também a voltar a ter seu corpo antes da gravidez em menos tempo.

Lembre-se que antes dos três primeiros meses de gravidez não é recomendado que a gestante faça exercícios físicos. Dessa forma, após este período, ela poderá estender essa prática até o oitavo mês, porém o que será decisivo para indicar o momento de parar é o peso da barriga que poderá causar um maior desconforto.

Essa modalidade é perfeita para gestantes, por isso se deseja realizá-la nesta fase tão importante de sua vida, indicamos que se procure instrutores familiarizados com mulheres grávidas para que tal prática seja realizada da melhor forma possível.

Saiba mais sobre os tipos de partos, suas diferenças e peculiaridades

Os principais tipos de parto são a cesárea e o parto vaginal, porém dentro de cada um desses partos, surgiram algumas variações que iremos falar um pouquinho mais sobre por aqui.

Empolgou com o assunto?! Então vamos lá!

Lembrando que é o acompanhamento de uma ginecologista obstetra que te ajudará a escolher a melhor alternativa para o seu caso, porém é interessante ler a respeito das alternativas que você prefere para verificar depois no médico a possibilidade de se escolher uma delas.

Parto Vaginal
O parto vaginal é aquele que não é cirúrgico, ou seja o bebê nasce pelo canal vaginal.

Parto natural
O parto natural é feito de forma não cirúrgica e buscando o mínimo de interferência médica. Assim, a mulher opta por não usar anestesias, e sim, métodos naturais de diminuição do estresse.

As mulheres que desejam ter esse tipo de parto querem sentir os sinais do próprio corpo e querem que elas mesmas determinem quando será a chegada do bebê.

Método Leboyer
O método Leboyer foi criado por um médico francês e segue a ideia de um parto com o mínimo de estresse envolvido.

Parto normal
Este tipo de parto é o mais conhecido de todos os partos vaginais e ele pode sofrer intervenções de medicamentos que diminuem a dor e episiotomia.

Parto humanizado
O parto humanizado trata-se de uma gestação e parto voltados completamente para a autonomia da mulher em relação a seus desejos.

Dessa forma ela escolherá quem ela quer que a acompanhará no momento de parto, onde será o parto e em qual posição. Além de outras escolhas que são feitas nessa ocasião.

Parto na água
Este parto é feito em uma banheira, e ele tem como objetivo, tornar o parto menos traumatizante para o bebê, pois como ele estava envolto em líquido amniótico na barriga da mãe, ao sair e entrar em contato com a água morna ele se sentirá mais acolhido.

Faz-se necessário lembrar que não há risco de afogamento, pois deve haver acompanhamento de profissionais no momento. Além disso, a água morna pode amenizar as dores da mulher.

Parto de Cócoras
Esse parto segue a ideia de que a posição de cócoras faz com que a musculatura da mulher esteja mais relaxada, assim o parto ocorre mais rápido.

Mas é preciso estar atento a algumas questões necessárias para realizar o parto de cócoras, como certificar-se que o bebe está de cabeça para baixo, se ele pesa menos de 4kg e se a mulher tem a dilatação necessária.

Cesárea
A cesárea é feita com interferência cirúrgica e ocorre em casos em que o parto vaginal pode apresentar riscos à mulher ou ao bebê, e também ocorre muitas vezes por uma escolha pessoal da mulher.

A cesariana, por ser uma cirurgia, apresenta certos riscos e tem uma recuperação mais demorada que o parto normal, por isso, em casos que não há realmente uma necessidade do parto ser cesárea, a OMS recomenda que o parto vaginal seja mais incentivado.

Cesárea humanizada
Os fatores que tornam um parto humanizado é se a opinião e escolhas da mãe estão sendo seguidas e consideradas. Assim, mesmo que haja uma cirurgia na realização deste parto, a mãe pode decidir seus acompanhantes, se ela pode segurar o bebe depois, ou até mesmo, se ela deseja por música.

Ufaa.. quanto tipo de parto, não é mesmo?!

Mas como dito anteriormente, não deixe de consultar seu medico sobre qual é o melhor tipo, para que a sua saúde e a do bebê sejam preservadas.

Gostou deste texto?! Então faça o seguinte, deixe aí nos comentários qual será o seu tipo de parto e envie esse link para aquela amiga gestante para ela responder também.